Manchetes

Menu

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Bispos, Arcebispos e Cardeais: Há diferença

Resultado de imagem para Bispos, Arcebispos e Cardeais: Há diferença

Pelo sacramento da Ordem, não há nenhuma diferença. Todos são ordenados, no grau máximo desse sacramento. Todos são bispos, palavra que deriva do grego epíscopos, que significa supervisor. Para chamá-los usa-se o título de Dom, abreviatura do latim dominus, senhor. Com o Papa à frente, os bispos do mundo inteiro formam o Colégio Apostólico, que sucede ao grupo dos apóstolos, os quais tinham a Pedro como seu líder. Assim, a Igreja é guiada pela história afora pelos mesmos pastores escolhidos por Jesus Cristo. Como pastor da Igreja particular, o bispo é o primeiro responsável pelo ensinamento da Palavra de Deus, pela celebração da Eucaristia e demais sacramentos e pela animação e organização dos carismas e ministérios do Povo de Deus. Ele é obrigado à residência, à visita regular às paróquias e comunidades e à visita ad limina a Roma, de quatro em quatro anos. Os bispos são, em suas dioceses, o princípio visível e o fundamento da unidade com as outras dioceses e com a Igreja universal. É aconselhado a pedir renúncia ao completar 75 anos. Nenhum título pode obscurecer a igualdade batismal dos filhos e filhas de Deus.

Arcebispo é o bispo de uma arquidiocese, o titular da sede metropolitana, que é a diocese mais antiga de uma Província Eclesiástica, que é formada pelo conjunto de diversas dioceses. Ele é responsável pelo zelo da fé e da disciplina eclesiástica e pela presidência das reuniões dos bispos da Província. Mas não intervém diretamente na organização e na ação pastoral das dioceses sufragâneas. Usa, nos limites de sua Província, durante as funções litúrgicas, como sinal de unidade de sua Província com a Igreja em todo o mundo, o pálio, que lhe é entregue pelo Papa: uma faixa branca decorada de cruzes pretas que cobre os ombros.

Cardeais são geralmente bispos de importantes dioceses do mundo. Mas também padres ou diáconos podem ser cardeais. São escolhidos pessoalmente pelo Papa, comorepresentantes da Igreja em todo o mundo, para formarem o Colégio dos Cardeais. São responsáveis pela assessoria direta ao Papa na solução das questões organizativas e econômicas da Santa Sé, na coordenação dos diversos dicastérios (uma espécie de secretarias) que compõem o serviço da Santa Sé em favor da comunhão em toda a Igreja e da justiça para com os pobres do mundo todo. São também os responsáveis pela eleição do novo Papa enquanto não completarem 80 anos.

Padres, Cônegos Monsenhores

Pelo sacramento da Ordem, não há nenhuma diferença. Todos são ordenados, no segundo grau desse sacramento. Todos são presbíteros do Povo de Deus. Desde o Concílio Vaticano II, os documentos da Igreja usam o termo presbítero (ancião, ou irmão mais velho), por ter origem bíblica e revelar a dimensão fraternal e serviçal desse ministério. O uso do título de padre (pai), usado pelo nosso povo, deixa transparecer a dimensão familiar da Igreja, mas mostra também uma relação de autoridade que poderia obscurecer a igualdade batismal de todos, uma vez que diante de Deus somos todos iguais. Hoje, os títulos de cônego e monsenhor são honorários e não indicam a posse de nenhum cargo ou posição na Igreja. Antes das reformas conciliares, eles formavam o cabido diocesano, para a função de conselheiros do bispo, o governo da diocese durante a vacância e o esplendor das funções litúrgicas na catedral. Hoje, o bispo conta com diversos Conselhos, que são formados por representantes de todo o clero e do laicato. Não contam os títulos, mas a disposição para o serviço comum e comunitário da evangelização. Hoje, cônego e monsenhor são títulos de homenagem e reconhecimento por serviços prestados à Igreja. Além disso, o título de monsenhor é também usado para o padre que foi eleito bispo. Enquanto ele não é ordenado bispo, é chamado de monsenhor.

***
Autor: José Augusto

Fonte: Lista “Tradição Católica”

Leia mais Artigos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Slide

Google+ Followers

Oração de São Francisco


Oração de São Francisco de Assis Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz. Onde houver ódio, que eu leve o amor; Onde houver ofensa, que eu leve o perdão; Onde houver discórdia, que eu leve a união; Onde houver dúvida, que eu leve a fé; Onde houver erro, que eu leve a verdade; Onde houver desespero, que eu leve a esperança; Onde houver tristeza, que eu leve a alegria; Onde houver trevas, que eu leve a luz. Consolar, que ser consolado; compreender, que ser compreendido; amar, que ser amado. Pois, é dando que se recebe, é perdoando que se é perdoado, e é morrendo que se vive para a vida eterna. Amém