Manchetes

Menu

terça-feira, 1 de agosto de 2017

O que é o silêncio interior?

atardecerenlago

Uma amiga disse-me: “Eu estou lendo o livro Diário de Sta. Faustina, e nele ela sempre cita sobre o “silêncio interior”; estou na parte em que ela fala que tem o propósito de “buscar o silêncio interior. O que seria esse silêncio com base na fé católica?”

Entendo este silêncio como a eliminação de todo barulho; tudo que agita a nossa alma e que não tem importância. O que? A concupiscência dos prazeres do corpo e da alma, e o desejo de alcança-los; os maus desejos, as futilidades, as conversas frívolas, a vontade de se destacar e aparecer, o gosto do aplauso, o espaço que o nosso Eu ocupa em nossa alma… Silenciar interiormente é calar a voz do nosso ego exigente.

Mas isso não é cair num vazio mental, onde não pensa em alguma coisa, ou que se despreze a vida, e menos ainda, que se fuja dela e da realidade. Não é a busca de uma paz ilusória no vazio existencial.

Fazer este silêncio é esvaziar-se de si mesmo, de suas vontades alheias à vontade de Deus, e ter sede de Deus, para que só Ele encha totalmente a alma e a faça propriedade Dele. Deus é a nossa Paz, Deus é a nossa felicidade e destino. “Ele nos fez e a Ele pertencemos, somos o seu povo e as ovelhas do seu rebanho” (Sl 99,3). O silêncio interior é para que tomemos consciência disso e assumamos isso como sentido da vida.

Sabemos que o homem é do mesmo tamanho de seus desejos e aspirações. Cada um transforma-se naquilo que ama. O silêncio interior deve alimentar na alma o “desejo de Deus”; a unidade com Ele, a intimidade com Ele e o abandono em suas mãos, entregando-Lhe todas as preocupações da vida, a ansiedade do futuro, e o desejo de obedece-lo sempre, num ato livre e decidido. E deixar a alma descansar na suavidade de Deus, como canta o salmista:

“Guardai-me, em paz, junto a Vós ó Senhor! (Sl 130)

“Eu vos louvarei, Senhor, de todo o coração, todas as vossas maravilhas narrarei. Em vós eu estremeço de alegria, cantarei vosso nome, ó Altíssimo!” (Salmo 9,2-3).

“Sois o meu Senhor, fora de vós não há felicidade para mim… Senhor, vós sois a minha parte de herança e meu cálice; vós tendes nas mãos o meu destino” (Sl 15,2).

“Senhor, sois vós que fazeis brilhar o meu farol, sois vós que dissipais as minhas trevas. (Sl 17,29).

Prof. Felipe Aquino

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Slide

Google+ Followers

Oração de São Francisco


Oração de São Francisco de Assis Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz. Onde houver ódio, que eu leve o amor; Onde houver ofensa, que eu leve o perdão; Onde houver discórdia, que eu leve a união; Onde houver dúvida, que eu leve a fé; Onde houver erro, que eu leve a verdade; Onde houver desespero, que eu leve a esperança; Onde houver tristeza, que eu leve a alegria; Onde houver trevas, que eu leve a luz. Consolar, que ser consolado; compreender, que ser compreendido; amar, que ser amado. Pois, é dando que se recebe, é perdoando que se é perdoado, e é morrendo que se vive para a vida eterna. Amém