Manchetes

Menu

sábado, 9 de setembro de 2017

Quem era a mãe de José do Egito?

Resultado de imagem para Quem era a mãe de José do Egito?

Pergunta de Leonardo Pereira Lemos de Alvorada / RS e resposta de Prof. Odalberto Domingos Casonatto

Olá Leonardo Pereira Lemos de Alvorada / RS

A Mãe de José do Egito (filho predileto de Jacó) se chamava Raquel, uma das esposas prediletas de Jacó, além de José também gerou Benjamin o filho mais novo.

Seu nome tem origem do hebreu: Raquel. É considerada uma das personagens importante da Bíblia. O Pai de Raquel se chamava Labão, sendo portanto sobrinha de Rebeca, uma das irmãs mais nova de Lea. O significado do nome vem do hebraico que quer dizer: "rosa amorosa"

Ainda nova morreu em trabalho de parto quando se encaminhava a casa de Jacó. A parteira que acompanhava anunciou que o recém nascido era um menino. Raquel olhou com sentimento de tristeza e chamou-o de Benoni ("filho de minha dor") e morreu. Entretanto Jacó chamou o menino de Benjamin (em hebraico "filho da direita ou filho do bom anúncio").

Jacó providenciou um túmulo de respeito e enterrou Rachel na estrada para Efrat, nas proximidades de Belém. Hoje a Tumba de Raquel, se situa a metade do caminho entre Belém e o bairro residencial de Jerusalém de Gilo. A cada ano milhares de peregrinos que vão à terra santa visitam o local (Gn 35,20)

“19Raquel morreu é foi enterrada no caminho de Éfrata – que é Belém.20 Jacó erigiu uma estela sobre seu túmulo: é a estela do túmulo de Raquel, que existe até hoje”. (Gênesis 35,18-20) Bíblia de Jerusalém.

Imagem: Túmulo de Raquel mandado edificar por Jacó, localiza-se na entrada da cidade de Belém.

Túmulo de Rachel a margem da estrada que leva a Belém

Imagem: Interior do Túmulo de Raquel. Hoje funciona como sinagoga.

Entrada para o interior do Tumulo de Rachel.

http://perguntebiblia.comunidades.net/25-quem-era-a-mae-de-jose-do-egito

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Slide

Google+ Followers

Oração de São Francisco


Oração de São Francisco de Assis Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz. Onde houver ódio, que eu leve o amor; Onde houver ofensa, que eu leve o perdão; Onde houver discórdia, que eu leve a união; Onde houver dúvida, que eu leve a fé; Onde houver erro, que eu leve a verdade; Onde houver desespero, que eu leve a esperança; Onde houver tristeza, que eu leve a alegria; Onde houver trevas, que eu leve a luz. Consolar, que ser consolado; compreender, que ser compreendido; amar, que ser amado. Pois, é dando que se recebe, é perdoando que se é perdoado, e é morrendo que se vive para a vida eterna. Amém