Manchetes

Menu

quinta-feira, 29 de junho de 2017

O que é um “Ano Santo”? Como surgiu a tradição de celebrá-lo?

bigPhoto_0[1]

O Judaísmo vétero-testamentário conhecia (Lv 25,8-12) o ano jubilar, que era celebrado a cada 50 anos e em que era feita a compensação da desigualdade social (perdão das dívidas e devolução de campos comprados), devendo, ao mesmo tempo, servir como advertência de a terra ter sido entregue pelo Criador ao homem por simples empréstimo.


A Igreja acolheu a ideia de um ano especial de graça, transformando-a em realidade com o Ano Santo ou Ano Jubilar. O Papa Bonifácio VIII estabeleceu, pela primeira vez na história da Igreja, o Ano Santo de 1300, que a partir de então deveria ser celebrado a cada 100 anos. O Papa Clemente VI (1342-1352) reduziu tal período para 50 anos, o Papa Urbano VI (1378-1389) para 33 anos (o tempo de vida de Cristo). Desde então, sempre que circunstâncias externas (guerra…) não o impeçam, é celebrado a intervalos de 25 anos. No entanto, entre tais períodos previstos, tem havido celebrações de Ano Santo por circunstâncias excepcionais: Pio XI determinou que fosse celebrado em 1933 como recordação dos 1900 anos da morte redentora de Cristo. E João Paulo II, em 1983, em memória dos 1950 anos do mesmo evento salvífico.

Conquanto a indulgência do jubileu, originariamente, só pudesse ser ganha em Roma (visita às quatro igrejas principais: São Pedro, São Paulo extramuros, São João do Latrão e Santa Maria Maior), foi possibilitada a sua obtenção, desde 1983, também nas catedrais e nos lugares de peregrinação das dioceses de todo o mundo.

Fonte: FISCHER-WOLLPERT, R. Os Papas e o Papado, de Pedro a Bento XVI. Ed. Vozes: Rio de Janeiro, 1985. p.183


Leia outros artigos do blog

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Slide

Google+ Followers

Oração de São Francisco


Oração de São Francisco de Assis Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz. Onde houver ódio, que eu leve o amor; Onde houver ofensa, que eu leve o perdão; Onde houver discórdia, que eu leve a união; Onde houver dúvida, que eu leve a fé; Onde houver erro, que eu leve a verdade; Onde houver desespero, que eu leve a esperança; Onde houver tristeza, que eu leve a alegria; Onde houver trevas, que eu leve a luz. Consolar, que ser consolado; compreender, que ser compreendido; amar, que ser amado. Pois, é dando que se recebe, é perdoando que se é perdoado, e é morrendo que se vive para a vida eterna. Amém