Santa Terezinha de Lisieux

Santa Terezinha de Lisieux
Madrinha deste Blog

São Francisco de Assis

São Francisco de Assis
Padrinho deste blog

Nossas Senhoras

Sagrada Família

Arquidiocese de Curitiba

São Pio de Pietrelcina

São Pio de Pietrelcina
Padre Pio

São Paulo Apóstolo

Papa Francisco

São Pedro Apóstolo

Santa Missa

Jesus Misericordioso

Jesus Misericordioso
Eu confio em Vós

Maria Mãe de Jesus

Divino Espirito Santo

Jesus Cristo

Deus

TRANSLATE

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Pg



Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

CALENDÁRIO LITÚRGICO 2020

CALENDÁRIO LITÚRGICO 2020
ANO "A"

Lista dos Santos da Igreja

Liturgia Diária

Calendário de Comemorações

Calendário de Comemorações
SANTOS E SANTAS

Comemorações de...

Comemorações de...
...Nossas Senhoras

Pe Antonio Rivero, L.C.: “Senhor, me faça uma transfusão de sangue …”

COMENTÁRIO À LITURGIA DOMINICAL

Jesus misericordioso @ gailestingumas.com

COMENTÁRIO À LITURGIA DOMINICAL

Domingo XXIV

Ciclo A

Textos: Sir 27, 33; 28, 9; Rm 14, 7-9; Mt 18, 21-35

P.Antonio Rivero L.C. Doutor em Teologia Espiritual, professor no noviciado da Legião de Cristo em Monterrey (México) e Assistente do apostolado Logos.

Ideia principal: O perdão cristão: 70 vezes 7, ou seja, sempre.

Resumo da mensagem: A vingança era uma lei sagrada em todo o Antigo Oriente e o perdão, humilhante; porém, para o cristão, a contrapartida da vingança é o perdão sem limite, no estilo de Deus.

Pontos da ideia principal:

Em primeiro lugar, na mentalidade semita, a de Jesus, o 7 é um número vindo da Lua e símbolo de perfeição. Como a Lua tem 4 fases-quarto crescente, minguante, etc. – e cada fase tem 7 dias, resulta que o 7 define um ciclo completo, é um número redondo, a ideia de um todo acabado. Diziam os rabinos de Israel que 2.000 anos antes da criação do mundo, Deus tinha criado 7 coisas: a Torá (lei), a penitencia, o Éden, a gehena (inferno), o Trono da Glória, o santuário celeste e o nome do Messias. 7 é um número que cheira algo divino: Deus fez o mundo em 7 jornadas, dos dons do Espírito são 7, a família macabeia foi perfeita porque teve 7 filhos-dizia são Gregório Nazianzeno, da Capadócia. Na catedral de Aachen temos o trono de Carlos Magno, fundador do Sacro Império Romano Germânico, com os seus 7 degraus em honra do trono de Salomão. Diante do Knesset, parlamento de Jerusalém, está o candelabro de bronze, dos 7 braços, símbolo do poder total de Deus e da plenitude da luz, que é Deus.

Em segundo lugar, Jesus diz a Pedro que deve- que devemos- perdoar 70 vezes 7; isto é, sempre. Cristo sabe que o homem é vingativo por natureza. Não entrava na cabeça de Pedro o perdão ilimitado de Jesus. Natural, pois na sinagoga ouviu muitas vezes que um judeu se perdoa até três vezes, mas a um estrangeiro jamais. E também ouvia que uma mulher se perdoa uma vez, cinco um amigo. Sente-se então generoso e resolve perguntar a Jesus se se pode perdoar ate 7 vezes. Para ter força para perdoar temos que contemplar muitas vezes a Deus que sempre nos perdoa. E mais, temos que pedir-lhe um transplante de coração e uma infusão do seu Espírito de amor na alma. Se não, é impossível. Jesus passou toda a vida perdoando. E nos ofereceu o sacramento da reconciliação onde encontramos o perdão de Deus, sempre, a todas as horas, sem limites. Basta que estejamos arrependidos e com propósito de emendar-nos.

Finalmente, e nós? Temos muitas ocasiões, na vida de família e de comunidade, nas relações sociais e laborais, de imitar ou não esta atitude de Deus que sabe perdoar. Os pais tem que perdoar os filhos a sua progressiva decolagem, a sua resistência e as suas trapaças. Os filhos têm que perdoar os seus pais o egoísmo, o seu autoritarismo, o seu paternalismo, a sua incompreensão. O marido a mulher e o fato de que não saiba valorizar o seu trabalho, nem respeitar a sua fatiga ou o irrite com pretensões descabeladas. Como a mulher o marido a sua incompreensão das 60 horas laborais em casa- ele que tem somente 40- as suas faltas de sensibilidade afetiva, a sua cegueira, diária e defraudadora de sonhos, para o detalhe. Que os laicos perdoem os seus sacerdotes os extravios, a sua ignorância para ajudar e compreender, a sua gravidade ao falar. Como o sacerdote deve perdoar os fiéis as suas escapadas da igreja, as suas inapetências religiosas, inclusive o seu fazer caso omisso à palavra de Deus. E assim o patrão o obreiro e vice-versa, o governante os súditos, os alunos o professor… E sempre vice-versa. Todos diariamente 70 vezes 7.

Para refletir: Realmente somos conscientes do que rezamos no Pai Nosso, essa oração “perigosa”? Temos um coração magnânimo, fácil para perdoar? Se o filho pródigo, ao voltar a casa, tivesse se encontrado conosco, em vez de se encontrar com o seu pai, a historia teria terminado igual? Se não perdoamos facilmente, não será que é porque nos aproximamos pouco ao sacramento da reconciliação? O que se sabe perdoado, perdoa com mais facilidade. Quando perdoamos, é como se déssemos uma esmola porque já não tem outro jeito ou tudo ao contrário, queremos imitar o perdão de Deus?

Para rezar: Senhor, que saiba contemplar o vosso coração cheio de misericórdia e Vos imite. Senhor, me faça uma transfusão de sangue ou um transplante para que aprenda a perdoar meus irmãos. Senhor, limpa as veias do meu coração, obturado por tanto rancor, ódio e ressentimento e possa perdoar o meu irmão, como Vos. Quero ser autêntico cristão, que possa perdoar a quem me ofendeu e pedir perdão a quem ofendi.

Qualquer sugestão ou dúvida podem se comunicar com o padre Antonio neste e-mail:

arivero@legionaries.org

Fonte: Zenit

You Might Also Like

0 comentários

Slide

Top Categories